terça-feira, 18 de maio de 2010

O tempo acabou


Por enquanto escrevo. Um dia hei de acabar, terminar essa história, fechar o último capítulo, morrer. É provável que me faltarão palavras nesse dia, ou que toda frase soe antiga e pueril. Mas por enquanto escrevo e temo; temo que amanhã meus dedos se partam, e as idéias me fujam todas, deixando horizontes pálidos dentro da mente. Engraçado pensar que o nosso fim não é o fim de tudo; e depois da gente as coisas continuam sendo. Engraçado pensar que nosso início não foi o início de tudo. Talvez assuste mais ser eterno que ser perecível, e por isso as montanhas são mais tristes que os mosquitos. Mas será que existe mesmo algo que realmente acabe? Ou as coisas apenas mudam?

10 comentários:

  1. Esse foi um dos melhores parágrafos-textos deste blog, ou então sou eu que estou mais suscetível a desânimos.

    ResponderExcluir
  2. Olha... sinceramente...
    Eu curti muito as tres vaquinhas.
    Muito simpáticas e cativantes.

    ResponderExcluir
  3. Ainda que eu concorde que o charme das vaquinhas acabou tirando um pouco a atenção do texto, eu admito que é sempre desanimador pensar no quanto vamos durar, nas marcas que vamos deixar e em como o mundo sempre funcionou antes da gente e vai continuar funcionando depois.

    Aí a Leila Lopes se mata e não sabem de quem é a culpa...

    ResponderExcluir
  4. Diógenes Persival18 de maio de 2010 11:41

    Não sei.

    ResponderExcluir
  5. O que mais me assusta é que irremediavelmente eu estarei presente na ultima hora, nos últimos minutos. É estranho pensar que neste momento eu não vou poder ir pra outro lugar, que eu estarei lá: no meu fim! Seja onde for. Não tem outro jeito.

    É esquisito pensar que não vai dar pra abrir o olho pra tentar enxergar como o mundo ficou sem a minha presença. E que pretensão a minha...

    (Uma pena que aqui não abriu a imagem das vaquinhas.)

    ResponderExcluir
  6. Leila Lopes é eterna e triste como as montanhas.

    ResponderExcluir
  7. Ontem, li algo que me fez lembrar do seu texto e, sim, vou citar:

    "O barro ao barro, o pó ao pó, a terra à terra, nada começa que não tenha de acabar, tudo o que começa nasce do que acabou"
    (José Saramago)

    ResponderExcluir
  8. Essa vaquinhas são mesmo demais. E cara, os comentários aqui estão cada vez melhores. Pessoal tá de parabéns.

    ResponderExcluir
  9. As coisas mudam. Assim, quando a gente acabar o que tiver pra escrever, venderemos badulaques na praia. Eu não disse que mudam pra melhor.

    ResponderExcluir
  10. Fale por você! Meu início foi o início de tudo!

    ResponderExcluir

pode falar, eu não estou ouvindo