terça-feira, 27 de abril de 2010

Não tenho pressa


Obrigado, mas eu não quero mensagens instantâneas. Não estou com pressa. Quero uma carta a mão com selo da rússia, quero uma recado que demore, dizendo que a primavera chegou.Não preciso de um carro que vá de zero a cem em três segundos; eu quero um trem, com cheiro de carvalho e rumo impreterível. Obrigado,mas nunca precisei de notícias em tempo real, de coberturas ao vivo, do mundo em um minuto.Não tenho pressa de saber. Deixo que o dia se achegue aos meus pés como um cão velho. Desculpe, mas não estudei em supletivos nem fiz quatro anos em dois, não enfrentei nenhum intensivão. Não tenho pressa de aprender.


E não me venha com paixões de verão e transas de festa, com amores perfeitos e finais felizes; ah, eu quero um amor que se construa como planta, com paciência e candura - por isso devolvo os antidepressivos e os analgésicos. Um homem também precisa chorar e sofrer. Um homem também precisa se sentir sozinho. Não tenho pressa para ser feliz.Obrigado, mas não quero milagres nem salvação - não me prometa o reino do céus agora por que minha vida ainda não acabou. Não me prometa a resolução de todos os meus problemas por que, afinal, eles são problemas meus.


Desculpe, mas não pedi fast food. Não amo muito tudo isso, mas posso amar um pouco cada coisa, ou muito algumas poucas. Não quero tudo ao mesmo tempo, mas quero tempo para experimentar.Não tenho pressa. Nem pedi decotes e saias curtas;não quero atalhos para os segredos de ninguém. Obrigado pelas promoções relâmpago, pelas queimas de estoque. Não quero celulares com cobertura mundial. Não quero internet sem fio no meio do cerrado. Quero sentir saudade das pessoas que estão longe. Eu quero a vida em sua exata medida, nem menor nem maior.


E se alguém me disser que o tempo urge,e que eu ficarei velho antes de conquistar o mundo, só poderei responder: eu quero envelhecer. Então, muito obrigado pela juventude eterna e pelo medo da morte. Eu quero morrer um dia.E se alguém me avisar que a vida é curta, só poderei responder: então por que vocês correm tanto? Para ela acabar logo? Eu quero morrer um dia, mas não agora. São vocês que estão correndo da vida, não eu. Eu não tenho pressa.

10 comentários:

  1. Senti uma coisa meio Dorival Caymmi nisso tudo.

    (e gostaria de ter esse tipo de postura de mais filosofia e menos bate boca com funcionários do giraffas. malditos)

    ResponderExcluir
  2. Cara, é um dos melhores textos seus que já li.
    Obrigado por compartilhar. Me fez sentir coisas, quando muito pouco o faz também.
    Abração!

    PH

    ResponderExcluir
  3. Não sei se sua mensagem eletrônica se extraviou, ou se me pede que leia o seu texto por que ele fala sobre o tempo - e eu tenho vários problemas com o tempo (tradução: vivi mais junhos que qualquer um e sou tremendamente enrolado), ou (mais provável) se me enganei como o amigo do Eco que achou que o “Nome da Rosa” era uma revelação sobre as infâncias dos dois, ou (mais provável ainda) nada disso. O fato é que gostei do texto e gostei também do Marie Byrd. Sim, enfim, li, sim, e depois dos incontáveis anos que me separam da data da entrega. Me ligue se quiser saber das minhas impressões, porque também não me dou muito bem com as mensagens instantâneas, com a pressa dos emails e MSNs e com os comentários rápidos dos blogues, por sinal este já está demorando muito.

    ResponderExcluir
  4. Que bom que sua ex colega de faculdade, Aline Mil, indicou esse texto no twitter. Diz tanta coisa que parece que ninguém mais tem tempo pra ler, parar e pensar a respeito.
    E se quiser uma carta com selo da Alemanha, passa o endereco! :)

    ResponderExcluir
  5. esse texto me traz de volta um zé...que conheci.

    ResponderExcluir
  6. Diógenes Persival28 de abril de 2010 13:27

    Muito bom o texto. Continue escrevendo, conforme te disse no McDonalds.
    "Não quero internet sem fio no meio do cerrado." Truco.

    ResponderExcluir
  7. Palavras macias...que texto bem escrito! Combateu a minha pressa de hoje.
    AbraçoS, seu Zé!

    ResponderExcluir
  8. Eu queria fazer um comentário sério e relacionado ao texto.

    ResponderExcluir
  9. Não consigo mais ler o s seus textos como eu lia na minha vida passada, zé! hehehe

    E se antes, eu já não conseguia comentar à sua altura, agora muito menos, porque fico mais ainda a pensar... Mas suspeito que em breve poderei fazê-lo melhor!

    Saudaaaaaade de você!

    =**

    ResponderExcluir
  10. Esse beira a utopia, mas cara, como foi bom ler ele! Esse foi de brotar lágrimas nos que estão distantes e carentes de amizades!

    ResponderExcluir

pode falar, eu não estou ouvindo