quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Cotidiano


Todo ano ela faz tudo sempre igual. Em janeiro já vira anfitriã. Me sorri um sorriso no jornal, e invade o barraco de manhã. Todo dia alguém diz pra eu me mudar, como se eu tivesse pra onde dar no pé. Diz que está perigando desabar, e no morro só fica quem quiser. Toda vez até penso em poder mudar, fim do ano eu só penso em prestação. Depois penso em um bloco pra sambar, e me vale ser outro folião. Seis da tarde como era de se esperar, ela pega e me espera no portão. Diz que está muito doida pra inundar, leva muro, cachorro e barracão. Toda noite eu só penso em não me afogar, meia noite eu juro ao nosso Senhor, se eu viver até o carnaval passar, dobro a oferenda pro pastor. Todo ano ela faz tudo sempre igual.

5 comentários:

  1. Diógenes Persival13 de janeiro de 2011 16:27

    Pode virar padre.

    ResponderExcluir
  2. Chico ficou pequeno agora.

    ResponderExcluir
  3. Eu ia comentar sobre o texto, com certeza ia. Mas tem um peixinho bonito no meu monitor e possivelmente ficarei olhando pra ele a tarde toda, assim como o pessoal fazia com a tela do dvd naquele episódio de "the office".

    ResponderExcluir
  4. Percebe-se o pedantismo do autor do blog usando alfabeto cirílico e alemão.

    No mais: Zé, seu blog tá sujo.

    ResponderExcluir
  5. esse peixinho subindo e descendo na minha tela...

    btw, você deu outro significado à chuva.

    ResponderExcluir

pode falar, eu não estou ouvindo