domingo, 7 de agosto de 2011

Voltar a escrever

Escrever não é como respirar. Respirar não tem tanta faca, tanta aresta, tanto receio. Para respirar não é preciso ficar sozinho; num quarto gelado, longe de casa. Respirar não carece solidão, mas escrever carece. Respiro para me manter vivo, mas escrevo para me tornar eterno. Respiro por medo da morte, escrevo para enganá-la. Porque há mais vidas que a minha, há vida em todo canto. Escrevo porque não estou sozinho; num quarto gelado, longe de casa... Para respirar não é preciso mais ninguém. Respirar não carece saudade.

5 comentários:

  1. Se eu ecrevesse diria o contrario...

    ResponderExcluir
  2. Bom ver você de volta, cara (e acho que nunca vou vou voltar de algum bloqueio criativo lírico assim)

    ResponderExcluir
  3. Saudades, cara! A melhor coisa que a gente quer que acabe!!

    ResponderExcluir

pode falar, eu não estou ouvindo